Solidão é tema da nova peça do Grupo Z de Teatro

Com direção de Fernando Marques,“Vizinhos” estreia nesta semana, com apresentações na quinta e na sexta-feira, na Má Companhia, em Vitória

Às vezes, é preciso estar só. Seja dentro de um ônibus ou de uma sala de cinema e, até mesmo, em frente à mesa de trabalho, no escritório. Mas essa solidão – que muitos precisam encarar e conviver diariamente – é, efetivamente, ruim ou é necessária? Para o diretor teatral Fernando Marques, a resposta não é nenhuma das alternativas. Para ele, a solidão é um fato. “Uma consequência do modo de vida que criamos para nós. O confronto com o outro é fundamental e estar só, em alguns momentos, é igualmente imprescindível. O que talvez seja necessário é encontrar o equilíbrio, a sua medida”, afirma.

E é sobre esse assunto que Fernando escreveu e dirigiu a peça “Vizinhos”, o mais novo espetáculo do Grupo Z de Teatro, que estreia nesta quinta-feira (27), às 20h, na sede da Má Companhia, em Vitória. A peça permanece em cartaz até o dia 5 de dezembro e os ingressos custam apenas R$10 a meia-entrada. “Fazemos agora uma curtíssima temporada de estreia, com quatro apresentações. O espetáculo certamente seguirá carreira em 2015, com novas temporadas”, garante o diretor.

O texto
“Vizinhos” conta a história de dois homens, que moram lado a lado, mas se conhecem apenas pelos rotineiros cumprimentos de elevador. Durante a peça, uma série de outras circunstâncias banais acaba por aproximar os dois indivíduos, fazendo-os se revelarem um pouco mais – um ao outro e ambos aos espectadores. Fernando conta que o texto do espetáculo foi construído em processo, aos poucos. Os trechos eram escritos, levados à sala de ensaio e experimentados pelos atores.

“A partir do que ia acontecendo em sala, de como o texto ia ganhando corpo no corpo dos atores, da cara que isso ia dando ao que se estava criando, o enredo ia tomando rumo, novas cenas iam sendo escritas. Isso acaba sendo enriquecedor para o dramaturgo, que tem a possibilidade de experimentar seu texto, de vê-lo ganhando vida”, conta Fernando.

Essa metodologia permite perceber, ao longo da construção do espetáculo, como o tema reverbera nos atores e, consequentemente, como a história se relaciona com o tempo de hoje, com o contemporâneo. “Uma das grandes dificuldades que o texto ofereceu foi o fato de que, apesar de tratar de um tema profundo – as maneiras que escolhemos para nos relacionarmos com o outro em nosso tempo, sobretudo nos centros urbanos, e a solidão que decorre daí –, as cenas baseiam-se em acontecimentos comuns, cotidianos, corriqueiros”, afirma.

Direção teatral
No texto, os dois personagens principais são pessoas solitárias. Um acabou de sair de uma relação marcante e o outro está só há tempos. A partir disso, desenvolve-se a história da solidão nossa de cada dia. Para dar vida a esse enredo, sobem ao palco Alexsandra Bertoli, Carla van den Bergen, Daniel Boone, Eldon Gramlich, Ivna Messina e Luciano Rios. Com exceção de Eldon, todos são integrantes do Grupo Z de Teatro.

“Passamos muito tempo juntos, nos conhecemos muito, somos amigos, brigamos, apoiamo-nos mutuamente em nossas questões profissionais e pessoais. E mesmo o Eldon, que não faz parte do grupo, já é também um velho companheiro, tendo trabalhado conosco em algumas outras montagens. Portanto, dirigi-los é dar continuidade a um processo em que estamos todos inteiros e que vai, de alguma forma, construindo o que é o Grupo Z de Teatro”, conta Fernando.

Relação com a plateia
A montagem da peça dá continuidade ao que foi realizado no espetáculo anterior do grupo, o “Insone”. Nele, há uma relação de proximidade com a plateia, em um ambiente íntimo, onde as cenas podem ser acompanhadas de muito perto, sendo baseadas quase que exclusivamente na atuação.

“É sempre impossível projetar o que um espetáculo provocará no espectador. Mas o que esperamos, não só com ‘Vizinhos’, mas com todos os espetáculos que fazemos, é que o espectador sinta-se tocado de alguma maneira pelo que assiste. Que a comunicação se estabeleça entre ele e nós através do que temos a dizer e de nossa maneira de dizer isso”, explica Fernando.

Grupo Z de Teatro
Sediado em Vitória, o Grupo Z de Teatro tem 18 anos de existência e trabalha não só com montagem de espetáculos, mas também com pesquisas na área teatral. Dentro dessa proposta, três linhas têm marcado sua trajetória: o trabalho em diferentes espaços; o corpo do ator; e o desenvolvimento de dramaturgia própria. Saiba mais sobre o grupo clicando aqui.

Estreia
O Grupo Z de Teatro estreia seu novo espetáculo, “Vizinhos”, nesta semana. As apresentações acontecem nesta quinta (27) e sexta-feira (28), a partir das 20 horas, na Má Companhia, no Centro de Vitória.

Nenhum comentário:

Postar um comentário